segunda-feira, 16 de outubro de 2017

024. Cozinhando com o Coração

Vegetarianismo, veganismo e a arte de amar.
Vegetarianismo, veganismo e a arte de amar.
RECEITAS DA SEMANA: Purê de mandioquinha, Acelga com gergelim, Bolinho de arroz, Maionese de abacate, Sopa de cebola

Clique aqui para acessar a relação de todas as receitas

1. Purê de batata baroa/mandioquinha (vegano)

As crianças adoram este purê e ele é muito fácil de preparar. É um ótimo acompanhamento para arroz e feijão ou para verduras refogadas. Por ser facilmente digerida, a mandioquinha é muito indicada para a alimentação de crianças, pessoas idosas ou em recuperação de doenças ou cirurgias. Com ação anti-inflamatória, antioxidante, antifúngica e anticancerígena, a mandioquinha conta ainda com altos níveis de vitamina C, B, K e E, ajudando a manter o corpo saudável, além de previnir doenças como o câncer.

Rendimento: 6 porções

Ingredientes:
½ kg de mandioquinha
1 batata inglesa (opcional, para dar mais maciez ao purê)
4 colheres (sopa) de azeite
Sal a gosto

domingo, 15 de outubro de 2017

A Arte de Sonhar segundo Bhagavan Das



Por uma destas estranhas circunstâncias da vida, hoje, 15/10/17, Dia do Professor, e data de aniversário de um ano deste Livro Blog, enquanto procurava algum material de Bhagavan Das, a quem considero o precursor do modelo de Universidade Śuddha e Patrono da Universidade do Coração, deparei-me com o seu pequeno livrinho Studies in the Bhagavad Gîtâ by the Dreamer: The Yoga of Discrimination (London, Theosophical Publishing Society, 1902). Bhagavan Das, o guru espiritual que me inspira e acompanha, o grande mestre e precursor do Śuddha Dharma, aquele de cujas noures constantemente me nutro, apresenta-se no título como ninguém menos que "The Dreamer" (O Senhor dos Sonhos), o personagem que aparece no misterioso e pouco conhecido manuscrito intitulado "The Dream Problem" (O Paradoxo do Sonho), onde ele próprio também manifesta-se como um interlocutor. Em essência, este livro trata de uma pessoa que entra conscientemente no estado de sonho e lá encontra vários sábios, dentre eles, Vasishta, com quem discute os conceitos de realidade, estado de vigília, de sonho, sono profundo e transcendência.  Este que dorme, que sonha e desperta, por exemplo, é uma mesma pessoa? Como então não tem consciência de seus sonhos? Seria o mundo dos sonhos real e independente do mundo tal como o experimentamos no estado de vigília? Se este mundo se torna irreal para quem alcança a iluminação, quem nos garante que o próprio estado de iluminação não é apenas um outro tipo de sonho em relação a um estado de ser ainda mais elevado?

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

023. Cozinhando com o Coração

A Ciência da Meditação e a Consciência de Si
Vegetarianismo, veganismo e a revolução do altruísmo.
RECEITAS DA SEMANA: Vegetais ao forno com queijo e nozes, Arroz basmati com açafrão, Hambúrguer de lentilha, Caldo verde,  trufa de batata doce.


1. Vegetais ao forno com queijo e nozes

Rendimento: 6 porções

Ingredientes:
2 abobrinhas italianas
2 berinjelas
3 tomates maduros sem sementes
2 dentes de alho amassados 
1 cebola picada
2 colheres (sopa) de cebolinha picada
1 xícara de queijo minas padrão
150g de queijo minas frescal cortado em cubinhos
4 colheres (sopa) de azeite
4 colheres (sopa) de nozes moídas

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Visita de Francisco Barreto ao nosso Grupo de Estudos – Consagração dos Alimentos

Recebemos nesta quinta-feira, 14.09.17, em nosso Grupo de Estudos a visita do Gnana Dhatha Francisco Barreto, idealizador do projeto da Universidade do Coração, que, antes do almoço de confraternização, fez a consagração dos alimentos com a oração do Pai Nosso em aramaico, idioma utilizado por Jesus. Esta oração está gravada em uma pedra de mármore branco na Igreja do Pai Nosso, no Monte das Oliveiras, em Jerusalém, na Palestina. 

domingo, 17 de setembro de 2017

022. Cozinhando com o Coração


A Ciência da Meditação e a Consciência de Si
Hum... será?  Para saber mais clique aqui.
RECEITAS DA SEMANA: Feijão branco com legumes, Sopa de alho-poró, Tabule de couve flor, Croquete assado de milho, Maçã caramelizada crocante


1. Feijão branco com legumes (vegano)

Rendimento: 6 porções

Ingredientes:

Feijão branco
1 colher (sopa) de azeite de oliva
2 xícaras (chá) de feijão branco (de molho na água por 8 horas)
3 xícaras (chá) de caldo de legumes (ver dicas)
1 ramo de alecrim fresco
1 dente de alho
½ xícara (chá) de cenoura em cubinhos
½ xícara (chá) de salsão em cubinhos
½ xícara (chá) de erva doce (funcho) em cubinhos
½ colher (chá) de sal
2 folhas de louro fresco ou seco

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

O Mundo dos Sonhos e as Três Dívidas

Eu iniciei esta série sobre os sonhos com um pequeno artigo (A Presença dos Ancestrais) que fala da importância e a presença sutil em nós mesmos dos nossos ancestrais. Com o vídeo de hoje, gostaria de mencionar outras duas presenças igualmente importantes, na medida em que representam um instrumento para resgatarmos as nossas próprias dívidas. O Ṛgveda (8.32.16; 6.61.1) menciona três débitos (Ṛṇa trayi) que todos temos o dever de pagar durante o decorrer de nossas vidas. Estes débitos, que todo ser humano herda ao nascer, aparecem melhor detalhados no Yajurveda (Taittiriya Samhita:VI.3. 10. 5), descritos como:
(1) Deva ṛṇa, o débito com a esfera das deidades das quais herdamos a nossa própria identidade espiritual;
(2) Ṛṣi ṛṇa, o débito com os sacerdotes, gurus, sábios e santos que nos deixaram como herança cultural o conhecimento espiritual; e
(3) Pitru ṛṇa,o débito com os nossos ancestrais, que possibilitaram o nosso nascimento neste mundo. 
Tais obrigações encontram a sua justificativa na lei do karma. O primeiro débito é quitado por meio do serviço desinteressado a toda humanidade e do atendimento e respeito às Escrituras Sagradas; o segundo, por meio da reverência aos grandes santos, tornando-nos exemplos vivos das suas doutrinas e, o terceiro, prestando tributos aos nossos ancestrais (ritos funerários e homenagens), mostrando consideração pelos nossos familiares e respeito pelos seus valores morais e éticos. Daí o sentido e a importância destas três "presenças".

O vídeo de hoje, portanto, faz referência a minha intenção e compromisso, desde a infância, de quitar esses débitos, por meio do enfrentamento e superação dos meus próprios demônios interiores, os quais impedem o aprimoramento na Ciência da Meditação, herdada dos grandes sábios, e que tem o poder de nos colocar em sintonia com o sagrado.


Rio de Janeiro, 08.09.17.
(Atualizado em 13.09.17)

(Diário dos Sonhos)

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

A Bhagavad Gītā como o Modelo Pedagógico da Ciência da Meditação

“Há dois pássaros, dois bons amigos, que habitam a mesma árvore do Ser. Um se alimenta dos frutos desta árvore; o outro apenas observa em silêncio.” (Ṛigveda 1.164.20)
“Há dois pássaros, dois bons amigos, que habitam a mesma árvore do Ser.
Um se alimenta dos frutos desta árvore; o outro apenas observa em silêncio.”
(Ṛigveda 1.164.20)
O discurso de Krishna na Bhagavad Gītā contém, desenvolvida de forma assistemática e respeitando a psicologia e o estado de confusão e dúvida de Arjuna, toda a Ciência da Meditação, simbolizada na metáfora dos dois pássaros, descrita no Ṛigveda: 
Dois pássaros com belas asas, companheiros inseparáveis, encontraram refúgio e abrigo na mesma árvore. Um deles se alimenta dos doces frutos da figueira; o outro, sem se alimentar, apenas observa... (Ṛigveda: 1.164.20)
As práticas de meditação desenvolvem-se a partir desta metáfora do "pássaro testemunha" (veja aqui um vídeo ilustrativo  do vedanta). A árvore representa o nosso corpo, enquanto os dois pássaros, referindo-se à nossa dupla natureza, material e espiritual, simbolizam o processo de meditação. De um lado, inconstante, imperfeito e finito, o ser corpóreo (natureza humana) permanece em movimento, experimentando de todas as coisas. De outro lado, contudo, estático, perfeito e infinito, o Ser (nossa natureza sagrada; Espírito de Deus em nós) apenas observa e aguarda pelo reencontro – é a este processo dialógico de descoberta e unificação da alma (Jīva, o ser) com o Espírito (Ātman, o Ser) que se chama de meditação. 

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

021. Cozinhando com o Coração

A Ciência da Meditação e a Consciência de Si
Vegetarianos são eco espiritualistas.
RECEITAS DA SEMANA: Manouche de zatar, Sopa de rúcula, Batata e ervilha, Salada de lentilhas com alho poró e tomate cereja, Risoto de aspargos, Bolo integral de banana com abacaxi.


1. Manouche de zatar (vegana)

Rendimento: 4 a 6 manouches de tamanho médio

Ingredientes:

Massa
½ kg de farinha de trigo
1 colher (chá) de fermento biológico seco dissolvido em água ou 15 g
1 xícara (chá) de água filtrada
2 colheres (sopa) de azeite
1 colher (chá) de sal
1 colher (chá) de açúcar

Cobertura
150mL de azeite
100 g de zatar

domingo, 27 de agosto de 2017

020. Cozinhando com o Coração

020. Cozinhando com o Coração: Sopa de agrião, Moqueca de palmito, Arroz com açafrão, Abobrinha brasileira no azeite, Trufa de damasco, tâmara e castanha do pará.
Vegetarianos famosos.
RECEITAS DA SEMANA: Sopa de agrião, Moqueca de palmito, Arroz com açafrão, Abobrinha brasileira no azeite, Trufa de damasco, tâmara e castanha do pará.



1. Sopa de agrião (vegana)

Rendimento: 6 porções


Ingredientes:
1 cebola média
4 cebolinhas verdes
2 maços de agrião
½ xícara (chá) de azeite
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
750 mL (3 copos) de caldo de legumes (ver dicas)
250 mL (1 copo) de água
sal a gosto
pimenta (opcional)

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

A Presença dos Ancestrais


Este vídeo, que abre a série “Diário dos Sonhos”, foi motivado por outro tema sobre o qual já reflito há alguns anos – a presença, ainda que de forma meramente simbólica, dos ancestrais no desenvolvimento de todas as culturas. São as forças do passado que materializam e moldam o presente. Durante o processo de elaboração do meu diário, agora aos poucos transformado neste Livro Blog, passei a perceber a importância destas presenças, que me apareciam com mais realidade e carga emotiva do que as simples lembranças. Daí esta série, que inauguro com um vídeo em homenagem a esta presença dos ancestrais. Faz parte de todas as tradições sagradas o respeito e as homenagens a eles. Afinal, não se ajuda uma comunidade a se desenvolver fazendo-a renegar o seu passado e todo o seu sistema de crenças. Esta lei parece universal e é reconhecida, inclusive, no seio do cristianismo. Jesus jamais negou as leis judaicas. 

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Introdução ao Grupo de Estudos e Meditação PsiQ

“Há dois pássaros, dois bons amigos, que habitam a mesma árvore do Ser. Um se alimenta dos frutos desta árvore; o outro apenas observa em silêncio.” (Ṛigveda 1.164.20)
“Há dois pássaros, dois bons amigos, que habitam a mesma árvore do Ser.
Um se alimenta dos frutos desta árvore; o outro apenas observa em silêncio.”
(Ṛigveda 1.164.20)
Dentro do mesmo espírito do Bhāvana Namaḥ -- Projeto de Meditação Corporativa do Núcleo de Estudos do Coração da Terra, surgiu agora também a oportunidade de desenvolver com o pessoal do Projeto PsIQ do Instituto de Química da UFRJ um Núcleo de Estudos e Meditação, aberto a todas as pessoas da comunidade acadêmica interessadas na Ciência da Meditação. Trata-se de disponibilizar aos participantes uma oportunidade de aprendizado e participação em discussões e práticas voltadas ao desenvolvimento pessoal e eco espiritual, tanto do ambiente de acadêmico quanto do meio ambiente como um todo. A apresentação do projeto acontecerá nesta quarta-feira, 16 de agosto, e dependendo das especificidades de cada novo grupo formado, ofereceremos também, de forma equilibrada e respeitando sempre as necessidades e interesses dos membros, um pouco de literatura e história sobre a origem das práticas de meditação, que se desenvolvem a partir da metáfora védica do "pássaro testemunha" (veja aqui um vídeo ilustrativo desta metáfora, segundo uma interpretação do vedanta).




Rio de Janeiro, 24.08.17.

(CORAÇÃO DA TERRA: Ciência da Meditação, Filosofia, Meio Ambiente e Eco Espiritualidade)

sábado, 12 de agosto de 2017

Bhāvana Namaḥ: Surge o Projeto de Meditação Corporativa do Núcleo de Estudos do Coração da Terra

Diário da Consciência de Si
Iogue em Śuddha Yoga
A proposta do Bhāvana Namaḥ -- Projeto de Meditação Corporativa do Núcleo de Estudos do Coração da Terra é auxiliar grupos, ou forças tarefas, no desenvolvimento de pequenos espaços no ambiente de trabalho, abertos a todas as pessoas interessadas na Ciência da Meditação. Dependendo das especificidades de cada grupo, oferecemos um pouco de literatura, história e contexto cultural, de forma equilibrada e respeitando sempre as necessidades e interesses dos membros, bem como a idiossincrasia e a cultura de cada empresa. Trata-se de disponibilizar aos participantes, e sem nenhum outro pré-requisito de pertencimento, a não ser o compromisso com o ambiente de respeito compatível com os espaços destinados à prática da meditação, uma oportunidade única de aprendizado e participação em discussões e práticas voltadas ao desenvolvimento eco espiritual, tanto do ambiente de trabalho quanto do meio ambiente como um todo. Em princípio, para o primeiro módulo (carga horária sugerida: 12h teóricas e 12h práticas), propõe-se que as atividades sejam semanais e com uma exigência de frequência de 75%.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

019. Cozinhando com o Coração

Sopa de aspargos, Arroz com espinafre, Panqueca com recheio de creme de abóbora, Bruschetta com tomate e Bolinho de chuva vegano -- estes são os itens das receitas da semana da coluna Cozinhando com o Coração.
Vegetarianos se sentem e se sabem vegetarianos.
Simples assim.
RECEITAS DA SEMANA: Sopa de aspargos, Arroz com espinafre, Panqueca com recheio de creme de abóbora, Bruschetta com tomate e Bolinho de chuva vegano.


1. Sopa de aspargos (vegana)

Rendimento: 4 porções

Ingredientes:
200 g de aspargos
1 cebola média picadinha
2 dentes de alho amassados
4 colheres (sopa) de azeite
sal a gosto

Modo de fazer:
Ferva ½ L de água. Coloque os aspargos e cozinhe por cerca de 5min. Desligue o fogo e reserve.
Em uma panela média, esquente o azeite e doure a cebola e o alho. Acrescente os aspargos com a água, sal e deixe ferver por cerca de 5 minutos. Desligue e deixe esfriar.
Bata tudo no liquidificador.
Sirva quente.

domingo, 30 de julho de 2017

018. Cozinhando com o Coração

vegetarianismo e normalidade
Vegetarianos moveram a barra da normalidade.
RECEITAS DA SEMANA: Risoto de arroz basmati, abobrinha e nozes, Tofu ao curry, Patê de cenoura e castanha de caju, Salada ao molho de damasco, Mousse de cacau com morango.


1. Risoto de arroz basmati, abobrinha e nozes (vegano)

Rendimento: 4 porções

Ingredientes:
1 xícara (chá) de arroz basmati
2 ½ xícaras (chá) de caldo de legumes (ver dicas)
4 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 cebola picada
1 dente de alho picado
¼ colher (chá) de pimenta rosa moída
2 xícaras (chá) de abobrinha italiana ralada com a casca
½ xícara (chá) de nozes, grosseiramente picadas
sal
folhas de manjericão para enfeitar

sábado, 22 de julho de 2017

017. Cozinhando com o Coração

Vegetarianismo está na base da Ecologia Profunda.
Vegetarianismo está na base da Ecologia Profunda.
RECEITAS DA SEMANA: Feijão branco com curry, Inhame japonês frito, Espinafre refogado, Sopa de ervilha,  e Abacate com cacau.


1. Feijão branco com curry (vegano)

Rendimento: 6 porções

Ingredientes:
250 g de feijão branco
1 cebola média picadinha
2 dentes de alho
6 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 colher (sopa) de curry
Sal a gosto

domingo, 16 de julho de 2017

016. Cozinhando com o Coração:

Vegetarianismo é Ecologia
Vegetarianismo é Ecologia...
RECEITAS DA SEMANA: Tutu de feijão, Couve refogada, Tofu frito, Sopa de abobrinha e Docinho de gergelim.


1. Tutu de feijão (vegano)

Rendimento: 8 porções

Ingredientes: 
1 xícara de feijão manteiga 
4 colheres (sopa) de azeite ou óleo vegetal
1 cebola média picadinha
2 dentes de alho amassados
2 colheres (chá) de sal
1 colher (chá) de pimenta-do-reino
½  xícara (chá) de farinha de mandioca torrada
Pimenta-ardida (para decorar)
Molho de tomate (ver receita aqui)

sábado, 8 de julho de 2017

Bhāvana Namaḥ: A Amorização Universal

Amorização Universal – a meta única a ser alcançada por todos os seres --, este foi o tema da vivência que aconteceu hoje, 08.07.17, na sede da Grande Síntese, projeto que participamos desde o seu início.  Em poucas palavras, os presentes foram convidados a participar do exercício de rendição (Namaḥ), na práxis do cotidiano, ao sentimento de amor universal que deriva do conceito do estado da unidade (Bhāvana).  Assim como da semente cresce uma árvore, e da árvore flores e frutos, assim os sentimentos que governam a atividade humana conduzem também à experiência do estado (bhāva) de unidade. Tal experiência estética (rasa) se dá quando se está emocionalmente enlevado pelo sentimento de universalidade (sāmānya), pois os estados (bhāva) emocionais procedem daquilo que é congênere ao coração, a fonte da experiência estética (rasa), cujo fogo alcança tudo o que existe (triloka, ou seja, o céu, a Terra e os mundos inferiores).

015. Cozinhando com o Coração

Sopa de batata baroa (mandioquinha) com tomate e manjericão, Espaguete de abobrinha, Pastelzinho assado de tofu, Patê de grão de bico com pimentão vermelho grelhado e Bolo de frutas secas com cenoura e especiarias-- estes são os itens das receitas da semana da coluna Cozinhando com o Coração.
Vegetarianismo hoje é quase moda.
As opções são muitas, mas nem sempre foi assim.
RECEITAS DA SEMANA: Sopa de batata baroa (mandioquinha) com tomate e manjericão, Espaguete de abobrinha, Pastelzinho assado de tofu, Patê de grão de bico com pimentão vermelho grelhado e Bolo de frutas secas com cenoura e especiarias.


sábado, 1 de julho de 2017

014. Cozinhando com o Coração

Semelhanças na estrutura da clorofila e da hemogloblina
Vegetarianismo aguça a intuição, revelando-nos
relações de semelhança que não se dão por acaso.
RECEITAS DA SEMANA: Creme de abóbora com agrião, Refogadinho de grão de bico, Pastelzinho assado de palmito, Salada de tomate caqui e Canjica.
1. Creme de abóbora com agrião (vegano)

Rendimento: 5 porções

Ingredientes:
2 colheres (sopa) de azeite
½ xícara (chá) de alho-poró finamente picado
1 dente de alho finamente picado
4 xícaras (chá) de abóbora japonesa, com a casca, cortada em cubos (500 g)
½ pimenta dedo-de-moça, sem as sementes, finamente picada
1 colher (chá) de sal
3 xícaras (chá) de caldo de legumes (ver dicas)
1 xícara (chá) de agrião, com os talos, finamente picado

segunda-feira, 19 de junho de 2017

013. Cozinhando com o Coração

Creme de cenoura com gengibre, Berinjela e abobrinha grelhadas, Espaguete ao molho de abobrinha e tomates marinados, Gotinha de cará, Docinho de damasco
Vegetarianos são gentis mesmo quando criticados
pelos não-vegetarianos.
RECEITAS DA SEMANA: Creme de cenoura com gengibre; Berinjela e abobrinha grelhadas; Espaguete ao molho de abobrinha e tomates marinados; Gotinha de cará e Docinho de damasco.

Clique aqui para acessar a relação de todas as receitas do blog

1. Creme de cenoura com gengibre (vegano)

Rendimento: 5 porções

Ingredientes:
4 colheres (sopa) de azeite
4 cenouras
1 cebola
1 colher (sopa) de gengibre ralado
Suco de 1 limão siciliano
½ maço de coentro picadinho
Sal a gosto

segunda-feira, 12 de junho de 2017

012. Cozinhando com o Coração

Sopa Minestrone, Risoto de alho poró e cogumelos, Tempura de cebola, Salada de rúcula nozes e pera, Nutella
Vegetarianos não espalham ódio e preconceito.
RECEITAS DA SEMANA: Sopa Minestrone; Risoto de alho poró e cogumelos; Tempura de cebola; Salada de rúcula, nozes e pera e Nutella.

Clique aqui para acessar a relação de todas as receitas do blog

1. Sopa Minestrone (vegana)

Rendimento: 5 porções

Ingredientes:

2 colheres (sopa) de azeite

1 cebola

2 dentes de alho

1 folha de louro

½ colher (chá) de colorau (opcional)
2 talos de aipo (também chamado salsão) 
2 cenouras 
2 tomates maduros, grandes, sem pele, triturados previamente
1 colher (chá) de orégano
1 xícara (chá) de feijão cozido (branco ou vermelho)
2 xícaras (chá) de água quente
½ xícara (chá) de massa (conchinha ou penne) 
1 abobrinha 
4 folhas de couve, cortadas em tiras
Sal a gosto
Pimenta do reino (opcional)

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Sūtras do Coração: 175 aforismos dos grandes sábios e filósofos

Sūtras do Coração: 175 aforismos dos grandes sábios e filósofos
Durante o período de pesquisa para a elaboração da tese, reuni alguns aforismos relacionados com a filosofia do coração, desenvolvida em torno do conceito de śraddhā na Bhagavad Gītā. Conforme já discutido em textos anteriores, śraddhā representa a convicção íntima, a bússola, o ardor e a amorosa luz do coração que ilumina e dá foco à razão. Não se refere a nenhuma classe de ações em particular, mas à atitude do praticante. Representa um parâmetro universal para avaliar a qualidade da ação humana. W.C. Smith exemplifica este sentido de śraddhā, que expressa a dimensão da subjetividade na experiência humana, com a ajuda da seguinte passagem bíblica, apresentada em uma nota de rodapé do seu seminal Faith and Belief (Princeton: Princeton University Press, 1979): “Onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração (Mateus 6:21 e Lucas 12:34)”.  A filosofia, quando toca o mistério e alcança o coração, tem crédito. Smith destaca que o termo latino ‘credere’, que se traduz por ‘creed’ em Inglês e ‘credo’ em Português, pode ser derivado, etimologicamente, do termo Sânscrito ‘śrad-dhā’, por meio da primitiva raiz Indo-européia ‘kred-dhe’, onde o sentido metafórico de ‘fazer de coração’ já está presente (1979, n.35, 223).  A seleção de sūtras (aforismos) dos grandes sábios, filósofos, poetas e ativistas apresentada a seguir inspira-se nos ślokas (versos) da Bhagavad Gītā onde se estrutura, poeticamente, a filosofia do coração:

quinta-feira, 1 de junho de 2017

011. Cozinhando com o Coração

Nhoque de batata baroa, Guacamole, Creme de milho verde, Bolinho de couve-flor, Doce gelado de chocolate
Vegetarianismo é a base da Ecologia Profunda.
RECEITAS DA SEMANA: Nhoque de batata baroa; Guacamole;  Creme de milho verde; Bolinho de couve-flor e Doce gelado de chocolate.

Clique aqui para acessar a relação de todas as receitas do blog

1. Nhoque de batata baroa (mandioquinha) (vegano)

Rendimento: 8 porções

Ingredientes:

Para o nhoque:

600g de batata-baroa cozida e espremida

1 xícara (chá) de farinha de arroz

1 xícara (chá) de aveia

1 colher (chá) de sal


Molho
Utilize as receitas de molho de tomate, conforme já disponibilizadas no blog:

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Um roteiro para a história de descoberta do sentido paradigmático de śraddhā?

Um roteiro para a história de descoberta do sentido paradigmático de śraddhā
L. C. Maciel falando sobre o seu curso - 2017
Ao completar sessenta anos, a idade da sabedoria, dei início a alguns projetos em consonância com a arte de aprender a morrer para o que é efêmero e a envelhecer de bem com a vida. Daí nasceu uma inesperada amizade com Luiz Carlos Maciel, um mestre na ciência dos roteiros e que se tornou um amigo querido do nosso grupo. Ele nos ofereceu um pequeno curso sobre as técnicas de roteiro para cinema e tv e o sucesso foi tal que nos motivou a um segundo curso, ainda em andamento, onde assumimos o desafio de produzir um roteiro, de fato.

sábado, 20 de maio de 2017

O Amigo Divino: Política Brasileira e o Sonho Profético de Dom Bosco

Política Brasileira e o Sonho Profético de Dom Bosco
Dom Bosco (1815-1888)
Neste momento difícil de nossa história política, cabe uma reflexão em torno da espiritualidade salesiana. Dom Bosco (1815-1888), o padroeiro de Brasília, cria em 1859 a Sociedade de São Francisco de Sales – aos olhos do Estado, uma associação de cidadãos, mas, perante a Igreja, uma associação de religiosos. Aclamado pelo Papa João Paulo II como o "Pai e Mestre da Juventude", Dom Bosco foi, acima de tudo, um educador dedicado à educação fundamental e ao ensino profissionalizante. Por isto é também o padroeiro dos jovens e dos aprendizes.

A vida de Dom Bosco é um exemplo vivo da máxima de Goethe (1749-1832) de que “o talento educa-se na calma, o caráter no tumulto da vida.” A sua espiritualidade expressa-se como um modo de vida que, nos aspectos temporal e espiritual, educa pelo exemplo. Funda-se na paciência, serenidade, compreensão e no cultivo em nós mesmos do sagrado coração de Cristo e do seu amor pela humanidade, a raiz da caridade do salesiano. Mesmo não sendo uma ordem contemplativa, o salesiano se vê contemplando a Deus no desempenho de sua missão de cuidar e zelar pelos jovens e a sua educação. Daí que não rejeitem o mundo, mas que busquem, em suas relações no mundo, a alegria divina que se irradia do serviço em prol dos jovens. A espiritualidade salesiana não é de clausura, pelo contrário, se alinha com a contemporânea definição de eco espiritualidade política, que se estrutura em torno da alegria, do respeito e da celebração do sagrado da vida.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

010. Cozinhando com o Coração

Macarrão recheado com agrião, batata e gorgonzola; Fatuche; Creme de couve flor com alho poró; Pão de zatar; Bolo de Aipim (mandioca/macaxeira) com coco sem glúten e sem lactose
Vegetarianismo é amor, é não-violência com os animais e,
inclusive, com os seres humanos, de todas as culturas.
RECEITAS DA SEMANA: Macarrão recheado com agrião, batata e gorgonzola;  Fatuche; Creme de couve flor com alho poró; Pão de zatar e Bolo de Aipim.

Clique aqui para acessar a relação de todas as receitas do blog

1. Macarrão recheado com agrião, batata e gorgonzola

Rendimento: 10 porções

Ingredientes:

Para o recheio do macarrão
500 g de macarrão do tipo concha em um tamanho suficiente para ser recheado
1 kg de batata inglesa
1 maço de agrião
100 g de queijo gorgonzola
2 dentes de alho
1 colher (sopa) de manteiga
Sal

quarta-feira, 10 de maio de 2017

As Origens do Festival de Wesak

Festival da Lua Cheia de Maio
Reavalie os seus  Saṃkalpas.
Hoje, 10.05.17 acontece, em várias partes do mundo, o Festival de Wesak, se celebra, basicamente, a Iluminação do Buda. O termo cingalês “wesak” deriva de “vesākha” (páli) e “vaiśākha” – termo sânscrito que designa o mês correspondente em nosso calendário ao final de abril e início de maio. O Festival Wesak ocorre durante a Lua Cheia do mês Wesak e, segundo alguns sábios indianos, deriva da antiquíssima Cerimônia de Lua Cheia do mês Vaiśākha, chamada Vaiśākha Śuddha Pūṛṇimā, celebrada há 12.000 anos, em homenagem ao discurso de Krishna na Bhagavad Gītā, onde ele trata, não de uma religião em particular, mas do fenômeno da religião e da espiritualidade pura (śuddha). Estes sábios indianos afirmam que o discurso da Gītā teria sido proferido no sétimo dia da quinzena luminosa do mês Kārtika (que se inicia com a lua nova de novembro), um domingo, durante o Śrī Kāla (período entre 06h e 10h) há mais ou menos 13.000 anos, originando, alguns séculos mais tarde, esta cerimônia da lua cheia (pūṛṇimā) do mês Vaiśākha.

009. Cozinhando com o Coração

Arroz com amêndoas e uvas passas, Salada de batata com mostarda, Creme de abóbora Hokkaido, Farofa especial, Pão de batata baroa
Vegetarianos são respeitosos, não picham casacos de pele,
nem a cultura do outro.
RECEITAS DA SEMANA: Arroz com amêndoas e uvas passas; Salada de batata com mostarda;  Creme de abóbora Hokkaido; Farofa especial e Pão de batata baroa.

Clique aqui para acessar a relação de todas as receitas do blog

1. Arroz com amêndoas e uvas passas (vegano)

Rendimento: 10 porções

Ingredientes:
2 xícaras (chá) de arroz branco
1 cebola tamanho médio
½  xícara (chá) de lascas de amêndoas 
½  xícara (chá) de uvas passas (preta ou branca) sem sementes
4 xícaras (chá) de água fervendo 
½ xícara (chá) de azeite
sal

Modo de fazer:
Toste um pouco as amêndoas em uma frigideira. Basta aquecer a frigideira e colocar as amêndoas, mexendo de vez em quando para não queimar. É um procedimento bem rápido.
Em uma panela coloque a cebola bem picada e refogue no azeite até que ela fique transparente.
Coloque o arroz e frite por alguns minutos em fogo baixo.
Ferva a água separadamente.
Adicione as amêndoas e as uvas passas no arroz e adicione a água.
Cozinhe inicialmente em fogo alto e, após ferver, em fogo baixo. 
Quando o arroz estiver al dente, desligue a panela. 
Mantenha abafado por cerca de 5 minutos e sirva.

sábado, 6 de maio de 2017

Sorriso Interior: A arte de Amar (II)

Mnemosyne, a deusa da memória
Mnemosyne, a deusa da
Memória e mãe das musas.
Como definir, como buscar e experimentar daquilo que não se sabe, ao certo, o que é? Sócrates (ca. 470 a.C. - 399 a.C.) lança mão da teoria da reminiscência no diálogo Mênon para enfrentar esta mesma questão. Quer mostrar a Mênon que a virtude não consiste em ter prazer e poder sobre todas as coisas, segundo este acreditava. Do mito à filosofia, perpassa a ideia de que cabe a cada um fazer pelos demais, com amor e perfeição, o que estiver ao seu alcance. Mesmo que no mundo existam homens soberbos e sem lei, não podemos esquecer o quanto um homem tem necessidade do outro.  O que dá sentido à existência é a formação do caráter e o desenvolvimeno do gênero amoroso e virtuoso de viver.  Nem a velhice, nem a juventude são difíceis se nos desenvolvemos desse modo. E a memória é o primeiro elemento para se guardar a verdadeira herança, que é a reminiscência da doutrina do bem e da imortalidade da alma. Segundo esta teoria de reminiscência, recordar-se é tomar o conhecimento de si próprio, pois a alma teria já visto e conhecido todas as coisas anteriormente ao nascimento. Aprender seria recordar-se de algo presente de alguma maneira latente no Espírito e que pode chegar à consciência.  Consciência entendida como a capacidade humana para conhecer; saber que conhece; e saber o quê sabe que conhece. Do ponto de vista psicológico, a consciência representa o sentimento de nossa própria identidade, ou seja, é o eu -- esta maneira individual de perceber, agir, desejar, sentir prazer e, por fim, sentir amor e compaixão. Os gregos associavam esta forma de consciência à mãe das musas, a deusa Mnemosyne (Memória). Ela dava aos poetas e adivinhos o poder de voltar ao passado para que estes pudessem relembrá-lo para a coletividade. Também os médicos utilizavam-se da reminiscência (anamnese). Antes de chegarem aos seus diagnósticos faziam o paciente lembrar-se de todas as circunstâncias que haviam antecedido o momento da doença.  

quarta-feira, 3 de maio de 2017

008. Cozinhando com o Coração

Charuto de acelga com grão de bico, Massa de Esfiha, Recheios para Esfiha, Salada de batata doce, Doce de abóbora
Vegetarianos ensinam pelo exemplo e jamais criticam os outros.
RECEITAS DA SEMANA: Charuto de acelga com grão de bico; Massa de Esfiha; Recheios para Esfiha; Salada de batata doce e Doce de abóbora.

Clique aqui para acessar a relação de todas as receitas do blog

1. Charuto de acelga com grão de bico (vegano) 

Rendimento: 10 porções de 4 a 5 charutinhos



Ingredientes:

2 maços de acelga tamanho médio ou 1 maço grande

2 xícaras (chá) de grão de bico, deixadas de molho na água na véspera

½ xícara (chá) de arroz branco

3 tomates maduros sem pele

1 maço de salsa/cebolinha
½ xícara (chá) de azeite
suco de 2 limões
sal a gosto

terça-feira, 2 de maio de 2017

O Poder do Clímax e a Jornada do Herói

Luiz Carlos Maciel
Depois do sucesso do relançamento no Rio de Janeiro do manual de roteiro, O Poder do Clímax, que se tornou um clássico entre os roteiristas, será a vez de São Paulo receber Luiz Carlos Maciel, que estará autografando seu livro neste sábado, 06/05, das 17h às 20h, na Casa das Rosas (Av. Paulista 37). Ver nota da coluna de Ancelmo Gois no jornal O Globo, publicada em 28/04.

Maciel também iniciou nesta quinta-feira (25/04) o segundo módulo do seu Curso Livre, Técnicas de Roteiro para Cinema e TV. Este módulo é totalmente dedicado à elaboração prática do roteiro.  O curso obedece aos mesmos molde e formato do primeiro curso (4 encontros, sempre às quintas-feiras, das 19h15 às 20h45). Maciel discutiu com os participantes cada um de seus projetos, e irá acompanhá-los, desde a elaboração da sinopse até a conclusão da Escaleta, conforme adiantei em outra postagem, onde também se encontra disponível o áudio de cada um dos encontros já realizados.

Curso Livre, Técnicas de Roteiro para Cinema e TV
Curso Livre de Roteiro com  Maciel
Atualmente, Maciel ainda divide seu tempo como consultor da série "Os dias eram assim", da TV Globo. Além de interagir com esse mestre dos roteiros, está sendo realmente um privilégio poder discutir com Maciel o monomito da Jornada do Herói, que se funda em śraddhā e do qual a Bhagavad Gītā é paradigma fundacional. “Śraddhā” é um termo sânscrito que, no contexto da Bhagavad Gītā, denota a convicção íntima, a bússola, o ardor e a amorosa luz do coração que ilumina a razão. Orientando e aferindo a conduta do herói em sua jornada, śraddhā representa o termômetro espiritual da faculdade da vontade.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

007. Cozinhando com o Coração

Arroz com aletria, Polenta com molho de tomate e azeitonas pretas, Sopa de lentilha com bolinhas de trigo, Bolinho de inhame japonês e Tâmara recheada com nozes
Vegetarianos não reparam nos outros, nem nos seus hábitos.
Respeitam o momento de cada um.
RECEITAS DA SEMANA: Arroz com aletria (macarrão cabelinho de anjo); Polenta com molho de tomate e azeitonas pretas; Sopa de lentilha com bolinhas de trigo; Bolinho de inhame japonês e Tâmara recheada com nozes.

Clique aqui para acessar a relação de todas as receitas do blog

1. Arroz com aletria (macarrão cabelinho de anjo) (vegano) 

Rendimento: 10 porções

Ingredientes:
½ xícara (chá) de azeite
4 ninhos de macarrão cabelinho de anjo/aletria
2 xícaras (chá) de arroz
5 xícaras (chá) de água
sal a gosto

Modo de fazer:
Coloque o azeite em uma panela e deixe esquentar um pouco. 
Adicione o macarrão cabelinho de anjo, esmagando o ninho com as mãos para quebrar bem o macarrão.
Doure os pedacinhos de macarrão até que eles fiquem bem marronzinhos. Cuidado para não queimar! Utilize uma colher de pau para mexer e fogo baixo.
Adicione o arroz e refogue mais um pouquinho.
Coloque o sal e a água.
Cozinhe inicialmente em fogo alto e, após ferver, em fogo baixo. 
Quando o arroz estiver al dente, desligue a panela. 
Mantenha abafado por cerca de 5 minutos e sirva.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

006. Cozinhando com o Coração

Jiló à mineira, Arroz integral com quinoa e chia, Lentilha refogada, Samosa (I) e Pãozinho vegano
Vegetarianismo: viva a diversidade de opções!
RECEITAS DA SEMANA: Jiló à mineira; Arroz integral com quinoa e chia; Lentilha refogada; Samosa e Pãozinho vegano.
1. Jiló à mineira (vegano)

Rendimento: 10 porções

Ingredientes:
1 kg de jiló tipo comprido
1 cebola
meio maço de cebolinha verde
2 dentes de alho
5 colheres (sopa) de azeite
sal a gosto
1 colher (chá) pimenta calabresa (opcional)

terça-feira, 18 de abril de 2017

Sorriso Interior: A arte de Amar (I)

Jesus Cristo e Krishna
O que é o amor de que falam as religiões? Como definir, como buscar e experimentar daquilo que não se sabe, ao certo, o que é? Esta é a questão central da filosofia do coração, inaugurada no oriente com o discurso de Krishna na Bhagavad Gītā e que passaria a ser praticada, séculos mais tarde, por Jesus de Nazaré, cujo exemplo logo alcança todo o ocidente. Dito de modo simples, o amor é o sentimento transcendente, universal e subjetivo da realidade absoluta, experimentado de forma imanente, parcial e objetiva por meio da faculdade da vontade, sede das emoções; e jamais por meio da razão lógica, que não o alcança, nem o compreende, visto que não se expressa como um pensamento, mas antes como aquilo que lhe antecede e lhe dá origem. Simbolizado na famosa expressão sânscrita OM (AUM), o amor representa, segundo a epistemologia da Bhagavad Gītā, a semente original de todas as existências e a causa do próprio surgimento do universo, que teria se dado segundo a fórmula: “Ekoham, bahusyam prajayeyeti” – Eu sou Um, tornar-me-ei também múltiplos seres.  Do Espírito Absoluto (Ātman, ou Paramātman), emana a energia de amor puro (Śakti) que, ao se condensar, dá origem à matéria (Prakṛti). A gramática e a sintaxe do sânscrito procuram nos lembrar de que tudo se origina do Transcendente Logos (OM), o Verbo Divino, que dá forma ao universo segundo os seus três aspectos: A-U-M, espírito, matéria e energia. Assim o universo surgiria como expressão do amor cósmico, que representa a lei de funcionamento da vontade criadora no cosmos.  

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Mensagem de Páscoa: “Consertei o Mundo”

Paz e Amor
Durante o período que passei com Francisco na Grande Síntese em 2012 escrevi, sob a influência de nossas conversas, alguns dos textos que aparecem no site da Universidade do Coração (ver a lista completa na coluna da direita do blog, sob o título “Principais Contribuições para o Site da Universidade do Coração”). Dentre eles, hoje queria destacar “Deixe a Luz Brilhar”, onde trato do sentimento de amor e compaixão que representa a essência do ensinamento cristão. Retomo esse tema para nos lembrarmos de que o sentimento de amor e compaixão purifica, torna sagrado e luminoso o nosso próprio coração. Esta foi a Boa Nova que Jesus pediu aos seus discípulos que compartilhassem com todos pelo mundo. Contudo, ainda nos comportamos como se não soubéssemos da existência desta ciência do coração. Continuamos vítimas de nossas paixões e da falta de confiança em nossa força interior para vencer os vícios, tornando-nos imunes a todas as formas de corrupção. Para experimentar do poder da energia amorosa e reparadora que se irradia do coração é preciso constância na prática do bem. Não sãos apenas as medidas materialistas, ou as mudanças nas estruturas sociais, que trarão a paz social. Somente a emanação do sentimento de amor e compaixão pode inviabilizar que as energias densas do egoísmo e da corrupção continuem conduzindo os destinos de uma nação. É a luminosa revolução do altruísmo que nos salvará dos regimes de exploração e escravidão dos mais fracos. 

quarta-feira, 12 de abril de 2017

005. Cozinhando com o Coração

Vegetarianos  não veem "exploração animal" na milenar relação de
amizade e cooperação mútua dos indianos com os animais,
considerados verdadeiros símbolos do sagrado.
RECEITAS DA SEMANA: Risoni com brócolis, ervilhas frescas e palmito; Salada de couve flor com tahine; Bazergan, Sopa de Lentilhas Vermelhas e Creme de abacate.

1. Risoni com brócolis, ervilhas frescas e palmito (vegano)

Rendimento: 10 porções

Ingredientes:
1 pacote 500g de risoni (massa no formato de arroz)
1 brócolis americano
200 g de ervilhas frescas
300 g de palmito
2/3  xícara (chá) de azeite
1 cebola grande picada
sal a gosto