quinta-feira, 25 de maio de 2017

Um roteiro para a história de descoberta do sentido paradigmático de śraddhā?

Um roteiro para a história de descoberta do sentido paradigmático de śraddhā
L. C. Maciel falando sobre o seu curso - 2017
Ao completar sessenta anos, a idade da sabedoria, dei início a alguns projetos em consonância com a arte de aprender a morrer para o que é efêmero e a envelhecer de bem com a vida. Daí nasceu uma inesperada amizade com Luiz Carlos Maciel, um mestre na ciência dos roteiros e que se tornou um amigo querido do nosso grupo. Ele nos ofereceu um pequeno curso sobre as técnicas de roteiro para cinema e tv e o sucesso foi tal que nos motivou a um segundo curso, ainda em andamento, onde assumimos o desafio de produzir um roteiro, de fato.

sábado, 20 de maio de 2017

O Amigo Divino: Política Brasileira e o Sonho Profético de Dom Bosco

Política Brasileira e o Sonho Profético de Dom Bosco
Dom Bosco (1815-1888)
Neste momento difícil de nossa história política, cabe uma reflexão em torno da espiritualidade salesiana. Dom Bosco (1815-1888), o padroeiro de Brasília, cria em 1859 a Sociedade de São Francisco de Sales – aos olhos do Estado, uma associação de cidadãos, mas, perante a Igreja, uma associação de religiosos. Aclamado pelo Papa João Paulo II como o "Pai e Mestre da Juventude", Dom Bosco foi, acima de tudo, um educador dedicado à educação fundamental e ao ensino profissionalizante. Por isto é também o padroeiro dos jovens e dos aprendizes.

A vida de Dom Bosco é um exemplo vivo da máxima de Goethe (1749-1832) de que “o talento educa-se na calma, o caráter no tumulto da vida.” A sua espiritualidade expressa-se como um modo de vida que, nos aspectos temporal e espiritual, educa pelo exemplo. Funda-se na paciência, serenidade, compreensão e no cultivo em nós mesmos do sagrado coração de Cristo e do seu amor pela humanidade, a raiz da caridade do salesiano. Mesmo não sendo uma ordem contemplativa, o salesiano se vê contemplando a Deus no desempenho de sua missão de cuidar e zelar pelos jovens e a sua educação. Daí que não rejeitem o mundo, mas que busquem, em suas relações no mundo, a alegria divina que se irradia do serviço em prol dos jovens. A espiritualidade salesiana não é de clausura, pelo contrário, se alinha com a contemporânea definição de eco espiritualidade política, que se estrutura em torno da alegria, do respeito e da celebração do sagrado da vida.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

010. Cozinhando com o Coração

Macarrão recheado com agrião, batata e gorgonzola; Fatuche; Creme de couve flor com alho poró; Pão de zatar; Bolo de Aipim (mandioca/macaxeira) com coco sem glúten e sem lactose
Vegetarianismo é amor, é não-violência com os animais e,
inclusive, com os seres humanos, de todas as culturas.
RECEITAS DA SEMANA: Macarrão recheado com agrião, batata e gorgonzola;  Fatuche; Creme de couve flor com alho poró; Pão de zatar e Bolo de Aipim.

Clique aqui para acessar a relação de todas as receitas do blog

1. Macarrão recheado com agrião, batata e gorgonzola

Rendimento: 10 porções

Ingredientes:

Para o recheio do macarrão
500 g de macarrão do tipo concha em um tamanho suficiente para ser recheado
1 kg de batata inglesa
1 maço de agrião
100 g de queijo gorgonzola
2 dentes de alho
1 colher (sopa) de manteiga
Sal

quarta-feira, 10 de maio de 2017

As Origens do Festival de Wesak

Festival da Lua Cheia de Maio
Reavalie os seus  Saṃkalpas.
Hoje, 10.05.17 acontece, em várias partes do mundo, o Festival de Wesak, se celebra, basicamente, a Iluminação do Buda. O termo cingalês “wesak” deriva de “vesākha” (páli) e “vaiśākha” – termo sânscrito que designa o mês correspondente em nosso calendário ao final de abril e início de maio. O Festival Wesak ocorre durante a Lua Cheia do mês Wesak e, segundo alguns sábios indianos, deriva da antiquíssima Cerimônia de Lua Cheia do mês Vaiśākha, chamada Vaiśākha Śuddha Pūṛṇimā, celebrada há 12.000 anos, em homenagem ao discurso de Krishna na Bhagavad Gītā, onde ele trata, não de uma religião em particular, mas do fenômeno da religião e da espiritualidade pura (śuddha). Estes sábios indianos afirmam que o discurso da Gītā teria sido proferido no sétimo dia da quinzena luminosa do mês Kārtika (que se inicia com a lua nova de novembro), um domingo, durante o Śrī Kāla (período entre 06h e 10h) há mais ou menos 13.000 anos, originando, alguns séculos mais tarde, esta cerimônia da lua cheia (pūṛṇimā) do mês Vaiśākha.

009. Cozinhando com o Coração

Arroz com amêndoas e uvas passas, Salada de batata com mostarda, Creme de abóbora Hokkaido, Farofa especial, Pão de batata baroa
Vegetarianos são respeitosos, não picham casacos de pele,
nem a cultura do outro.
RECEITAS DA SEMANA: Arroz com amêndoas e uvas passas; Salada de batata com mostarda;  Creme de abóbora Hokkaido; Farofa especial e Pão de batata baroa.

Clique aqui para acessar a relação de todas as receitas do blog

1. Arroz com amêndoas e uvas passas (vegano)

Rendimento: 10 porções

Ingredientes:
2 xícaras (chá) de arroz branco
1 cebola tamanho médio
½  xícara (chá) de lascas de amêndoas 
½  xícara (chá) de uvas passas (preta ou branca) sem sementes
4 xícaras (chá) de água fervendo 
½ xícara (chá) de azeite
sal

Modo de fazer:
Toste um pouco as amêndoas em uma frigideira. Basta aquecer a frigideira e colocar as amêndoas, mexendo de vez em quando para não queimar. É um procedimento bem rápido.
Em uma panela coloque a cebola bem picada e refogue no azeite até que ela fique transparente.
Coloque o arroz e frite por alguns minutos em fogo baixo.
Ferva a água separadamente.
Adicione as amêndoas e as uvas passas no arroz e adicione a água.
Cozinhe inicialmente em fogo alto e, após ferver, em fogo baixo. 
Quando o arroz estiver al dente, desligue a panela. 
Mantenha abafado por cerca de 5 minutos e sirva.

sábado, 6 de maio de 2017

Sorriso Interior: A arte de Amar (II)

Mnemosyne, a deusa da memória
Mnemosyne, a deusa da
Memória e mãe das musas.
Como definir, como buscar e experimentar daquilo que não se sabe, ao certo, o que é? Sócrates (ca. 470 a.C. - 399 a.C.) lança mão da teoria da reminiscência no diálogo Mênon para enfrentar esta mesma questão. Quer mostrar a Mênon que a virtude não consiste em ter prazer e poder sobre todas as coisas, segundo este acreditava. Do mito à filosofia, perpassa a ideia de que cabe a cada um fazer pelos demais, com amor e perfeição, o que estiver ao seu alcance. Mesmo que no mundo existam homens soberbos e sem lei, não podemos esquecer o quanto um homem tem necessidade do outro.  O que dá sentido à existência é a formação do caráter e o desenvolvimeno do gênero amoroso e virtuoso de viver.  Nem a velhice, nem a juventude são difíceis se nos desenvolvemos desse modo. E a memória é o primeiro elemento para se guardar a verdadeira herança, que é a reminiscência da doutrina do bem e da imortalidade da alma. Segundo esta teoria de reminiscência, recordar-se é tomar o conhecimento de si próprio, pois a alma teria já visto e conhecido todas as coisas anteriormente ao nascimento. Aprender seria recordar-se de algo presente de alguma maneira latente no Espírito e que pode chegar à consciência.  Consciência entendida como a capacidade humana para conhecer; saber que conhece; e saber o quê sabe que conhece. Do ponto de vista psicológico, a consciência representa o sentimento de nossa própria identidade, ou seja, é o eu -- esta maneira individual de perceber, agir, desejar, sentir prazer e, por fim, sentir amor e compaixão. Os gregos associavam esta forma de consciência à mãe das musas, a deusa Mnemosyne (Memória). Ela dava aos poetas e adivinhos o poder de voltar ao passado para que estes pudessem relembrá-lo para a coletividade. Também os médicos utilizavam-se da reminiscência (anamnese). Antes de chegarem aos seus diagnósticos faziam o paciente lembrar-se de todas as circunstâncias que haviam antecedido o momento da doença.  

quarta-feira, 3 de maio de 2017

008. Cozinhando com o Coração

Charuto de acelga com grão de bico, Massa de Esfiha, Recheios para Esfiha, Salada de batata doce, Doce de abóbora
Vegetarianos ensinam pelo exemplo e jamais criticam os outros.
RECEITAS DA SEMANA: Charuto de acelga com grão de bico; Massa de Esfiha; Recheios para Esfiha; Salada de batata doce e Doce de abóbora.

Clique aqui para acessar a relação de todas as receitas do blog

1. Charuto de acelga com grão de bico (vegano) 

Rendimento: 10 porções de 4 a 5 charutinhos



Ingredientes:

2 maços de acelga tamanho médio ou 1 maço grande

2 xícaras (chá) de grão de bico, deixadas de molho na água na véspera

½ xícara (chá) de arroz branco

3 tomates maduros sem pele

1 maço de salsa/cebolinha
½ xícara (chá) de azeite
suco de 2 limões
sal a gosto

terça-feira, 2 de maio de 2017

O Poder do Clímax e a Jornada do Herói

Luiz Carlos Maciel
Depois do sucesso do relançamento no Rio de Janeiro do manual de roteiro, O Poder do Clímax, que se tornou um clássico entre os roteiristas, será a vez de São Paulo receber Luiz Carlos Maciel, que estará autografando seu livro neste sábado, 06/05, das 17h às 20h, na Casa das Rosas (Av. Paulista 37). Ver nota da coluna de Ancelmo Gois no jornal O Globo, publicada em 28/04.

Maciel também iniciou nesta quinta-feira (25/04) o segundo módulo do seu Curso Livre, Técnicas de Roteiro para Cinema e TV. Este módulo é totalmente dedicado à elaboração prática do roteiro.  O curso obedece aos mesmos molde e formato do primeiro curso (4 encontros, sempre às quintas-feiras, das 19h15 às 20h45). Maciel discutiu com os participantes cada um de seus projetos, e irá acompanhá-los, desde a elaboração da sinopse até a conclusão da Escaleta, conforme adiantei em outra postagem, onde também se encontra disponível o áudio de cada um dos encontros já realizados.

Curso Livre, Técnicas de Roteiro para Cinema e TV
Curso Livre de Roteiro com  Maciel
Atualmente, Maciel ainda divide seu tempo como consultor da série "Os dias eram assim", da TV Globo. Além de interagir com esse mestre dos roteiros, está sendo realmente um privilégio poder discutir com Maciel o monomito da Jornada do Herói, que se funda em śraddhā e do qual a Bhagavad Gītā é paradigma fundacional. “Śraddhā” é um termo sânscrito que, no contexto da Bhagavad Gītā, denota a convicção íntima, a bússola, o ardor e a amorosa luz do coração que ilumina a razão. Orientando e aferindo a conduta do herói em sua jornada, śraddhā representa o termômetro espiritual da faculdade da vontade.