sábado, 8 de julho de 2017

Bhāvana Namaḥ: A Amorização Universal

Amorização Universal – a meta única a ser alcançada por todos os seres --, este foi o tema da vivência que aconteceu hoje, 08.07.17, na sede da Grande Síntese, projeto que participamos desde o seu início.  Em poucas palavras, os presentes foram convidados a participar do exercício de rendição (Namaḥ), na práxis do cotidiano, ao sentimento de amor universal que deriva do conceito do estado da unidade (Bhāvana).  Assim como da semente cresce uma árvore, e da árvore flores e frutos, assim os sentimentos que governam a atividade humana conduzem também à experiência do estado (bhāva) de unidade. Tal experiência estética (rasa) se dá quando se está emocionalmente enlevado pelo sentimento de universalidade (sāmānya), pois os estados (bhāva) emocionais procedem daquilo que é congênere ao coração, a fonte da experiência estética (rasa), cujo fogo alcança tudo o que existe (triloka, ou seja, o céu, a Terra e os mundos inferiores).

O misterioso elo de ligação entre os conceitos de Bhāvana (sentimento de amor universal) e Śuddha Dhyāna (meditação transcendental)

Francisco Barreto
08.07.17. Francisco Barreto na vivência Amorização Universal
Bhāvana Namaḥ – foi desta rendição ao sentimento de amor universal, com o firme compromisso de estabelecer o jejum de pensamentos, palavras, alimentos dos sentidos e de tudo que distrai a nossa atenção do processo de convergência para o sagrado (Brahma-sāmīpya) que tratou a vivência conduzida pelo mentor da Universidade do Coração, Francisco Barreto. Tratou, em síntese, da arte de viver, na práxis, em meditação no coração. O amor é a lei universal. Tudo é relativo, menos o amor que é o fundamento e a base epistemológica da verdade eterna. Esta é a síntese dos Dez Mandamentos do mundo ocidental. Cristo não tratou diretamente da ciência da meditação, mas ensinou sobre o amor e deixou o seu testemunho, como exemplo do que é o mistério da Comunhão: aquele estado contemplativo que lhe permitiu afirmar: “Eu e o Pai somos um”; ou “Eu sou o Filho de Deus”. Comungar com o Corpo de Cristo significa experimentar desse estado permanente de sentimento de amor universal, expresso em sua práxis. Significa o esforço dialético e, por vezes, desconfortável de casar os contrários e promover o respeito à diversidade cultural, ancorado no amoroso sentimento de que todos os seres viventes integram um sistema único de vida. Este mesmo sentimento de amor universal que a tudo unifica (Bhāvana) representa também a síntese do Yoga e de toda a filosofia não-dualista das principais Upaniṣades. E é por isto que se diz na literatura sagrada que o Bhāvana (o amor que destrói a ilusão da dualidade) é a base da meditação pura e transcendental (Śuddha Dhyāna). Não existe meditação digna deste nome se ela não envolver o sentimento de Bhāvana, pois não pode ser chamado de meditação nenhum processo que não tenha o amor como a sua base e o seu fundamento.

A Consagração do Alimento, das Ações e do Meio-Ambiente

08.07.17. Vivência Amorização Universal
Em consonância com o tema desta vivência e conforme também os objetivos deste Livro Blog, quero compartilhar três orações simples proferidas em algumas atividades dos primeiros campi da Universidade do Coração. Estas estimulam o desenvolvimento deste processo de Amorização Universal, que colaboradores anônimos do projeto já há algum tempo vem fomentando. A primeira oração é a "Consagração do Alimento e Agradecimento"; a segunda, a "Consagração das Ações"; e a terceira, a "Consagração do Ambiente", como veremos a seguir.

I. CONSAGRAÇÃO DO ALIMENTO E AGRADECIMENTO

A oração de consagração do alimento e de agradecimento é de autoria de um colaborador que prefere ficar anônimo. Esta singela oração tem se mostrado uma ferramenta poderosa e eficaz na superação de velhos hábitos e criação de novos valores. Consta de duas partes: a primeira nos lembra da nossa tradição e que temos o dom de tudo consagrar; e a segunda, que a tradição sempre se renova, por vezes negando a si mesma, e que por tudo devemos dar graças. Com esses dois movimentos, antes e após as refeições, deixamos o nosso exemplo e testemunho e exercitamos a nossa atenção e foco para manter o estado de comunhão com todos e de rendição ao sagrado (Bhāvana Namaḥ):

(a) Consagração do Alimento:
Bondoso pai celeste, seja este alimento a vossa substância que alimenta o nosso corpo físico, a nossa mente e a nossa alma.
Nós vos damos graças, Senhor, pelo alimento que nos dais agora.
OM, OM, OM.

(b) Agradecimento:
Mãe natureza, assim como expuseste o teu coração diante de mim para que eu tomasse o que necessitava, ponho o meu coração diante de ti para que tomes aquilo que necessitares.
OM, OM, OM.

As duas partes desta oração sugerem que o estado de prece deve ser contínuo, abarcando, inclusive, o próprio ato de se alimentar. Além disto, a sua prática logo nos revela que alimento é tudo que nos chega pelos cinco sentidos e também pela mente. Nem sempre, contudo, conseguimos manter esse estado de compreensão, que nos revela como proceder com a nossa própria reforma interior. E é aí que entra a segunda oração, atribuída ao teólogo protestante Reinhold Niebuhr, talvez o pensador religioso mais influente nos Estados Unidos do século passado.

O segredo do sucesso do moderno ativismo sócio ambiental funda-se no princípio da não violência e este, por sua vez, funda-se no respeito àqueles que defendem posições distintas das nossas. É a partir desta relação dialética, ancorada na compreensão da natureza e da própria vida como expressões do sagrado, que surge a possibilidade de uma síntese nova e equilibrada, gerada a partir da harmonização dos contrários, conforme se vê na convocação interior presente na oração de consagração das ações, apresentada a seguir.

II. CONSAGRAÇÃO DAS AÇÕES (Serenity Prayer)

D E U S
concedei-me
SERENIDADE
para aceitar as coisas que não posso mudar;
CORAGEM
para mudar as que posso; e
SABEDORIA
para discernir umas das outras.

A base para esta compreensão do sagrado encontra-se no profundo do coração, sede da verdadeira natureza humana, por oposição à natureza humana superficial, onde se enraízam todas as perniciosas paixões. Acordar esta natureza profunda é algo que exige esforço, disciplina, dedicação, serenidade, coragem, sabedoria e estado de renúncia.

Houve um tempo em que a imagem do nosso templo interior era o nosso próprio lar – último refúgio, por assim dizer, a partir de onde podemos construir a nossa jornada. Uma vez nós mesmos consagrados ao ideal social maior, devemos também consagrar o nosso lar, para que estas energias se irradiem levando os demais a fazerem o mesmo, até que a comunidade esteja também consagrada ao ideal maior de deixar florescer do coração os verdadeiros valores da ecologia profunda, em nós representados sob a forma da ecologia da nossa própria mente. Desse modo, não está longe o dia em que a "consagração do ambiente" será utilizada para promover os novos pólos irradiadores de conceitos oriundos do coração. Uma formulação já em uso é a apresentada a seguir.

III. CONSAGRAÇÃO DO AMBIENTE

Compenetrado pelo Poder Infinito da Divina Presença do EU SOU, que é Deus em ação, afirmo:

1. Há uma só presença aqui: a presença de Deus, a HARMONIA, que faz vibrar todos os corações de felicidade e alegria. Quem aqui entrar sentirá as vibrações da Divina Harmonia.

2. Há uma só presença aqui: a presença de Deus, o AMOR. Deus é Amor, que envolve todos as seres num só sentimento de unidade. Este recinto está cheio da presença do Amor. No Amor eu vivo, movo-me e existo. Quem aqui entrar sentirá a pura e santa presença do Amor.

3. Há uma só presença aqui: a presença de Deus, a VERDADE. Tudo o que aqui existe, tudo o que aqui se fala, tudo a que aqui se pensa é a expressão da Verdade. Quem aqui entrar, sentirá a presença da Verdade.

4. Há uma só presença aqui: a presença de Deus, a JUSTIÇA. A Justiça reina neste recinto. Todos os atos aqui praticados são regidos e inspirados pela Justiça. Quem aqui entrar, sentirá a presença da Justiça.

5. Há uma só presença aqui: a presença de Deus, o BEM. Aqui todo o mal será transmutado. Quem aqui entrar sentirá a Divina Presença do Bem.

6. Há uma só presença aqui: a presença de Deus, a VIDA. Deus é a Vida, essencial de todos as seres. Deus é a Presença Governante que dirige na mais perfeita ordem toda a criação. Quem aqui entrar sentirá a Divina Presença da Vida.

7. Há uma só presença aqui: a presença de Deus, a PROSPERIDADE. Deus é prosperidade, pois Ele faz tudo crescer e prosperar. Deus se expressa na prosperidade de tudo o que aqui é empreendido em Seu nome. Quem aqui entrar sentirá a Divina Presença da Prosperidade.

Estou em plena sintonia com as correntes universais da Harmonia, do Amor, da Verdade, da Justiça, do Bem e da Prosperidade. A Divina Presença da Sabedoria manifesta-se, nos atos e expressões de todos aqueles que aqui entram. A presença do Poder Divino manifesta-se aqui. A presença da Alegria Divina é profundamente sentida por todos os que aqui entram.

Na mais perfeita comunhão com a Divina Presença do EU SOU, que é Deus em mim, consagro este ambiente à perfeita expressão de todas as Qualidades Divinas que há em mim e em todos os seres.

As vibrações de meus mais puros pensamentos e sentimentos são forças de Deus em mim que aqui ficarão impregnadas e daqui se irradiarão para todos os seres, constituindo este lugar um centro de emissão e recepção de tudo quanto é bom, alegre e próspero.

Agradeço-Te ó Deus, porque este recinto está cheio de Tua presença. 
Agradeço-Te, porque vivo e me movo em Ti.
Agradeço-Te porque vivo em Tua Vida, Verdade, Saúde, Prosperidade, Paz,
Sabedoria, Alegria e Amor.
Agradeço-Te, porque todos os que aqui entram sentem a Tua presença.
Agradeço-Te, porque estou em Harmonia, Amor, Verdade e Justiça com todos os seres.

Glória a Deus em nosso coração!
Glória a Deus no coração de todos os seres!
Glória a Deus no imo de todas as coisas!
Glória a Deus em todos os mundos e planos!
Glória a Deus em toda parte!
Glória ao Soberano Senhor do Universo!
Glória! Glória! Glória!
OM Namastê OM


Rio de Janeiro, 08 .07.17.

(Sūryānanda Vyāsa Saṁhitā: A Jornada do Herói)