domingo, 10 de dezembro de 2017

Morre Luiz Carlos Maciel, o guru da contracultura

Maio de 2017: Maciel tirando dúvidas sobre roteiro...
Maio de 2017: Maciel tirando dúvidas sobre roteiro...
Luiz Carlos Maciel faleceu ontem, 09 de dezembro de 2017. Recebi a notícia, no final da tarde, pela sua esposa, a atriz Maria Cláudia, que o acompanhava no Hospital Copa D’Or, no Rio, desde o dia 26 de novembro, onde fora internado em função de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Embora o tenha conhecido pessoalmente há apenas um ano, Maciel tornou-se, em pouco tempo, um grande amigo. Desenvolvemos juntos pequenos projetos, alguns ainda em andamento, visando uma reflexão crítica sobre o seu legado. Era o seu desejo realizar uma síntese de sua obra como escritor, jornalista, diretor teatral, roteirista e filósofo, aberto ao pensamento oriental e admirador da doutrina e das práticas de meditação do zen budismo. Curiosamente, Maciel faleceu no dia imediatamente após àquele em que as Escolas do Budismo Mahayana celebram o Jôdô-e, Rito Comemorativo da Iluminação do Buda Histórico Shakyamuni – 08 de dezembro.

sábado, 2 de dezembro de 2017

026. Cozinhando com o Coração

Arroz com Brócolis
RECEITAS DA SEMANA: Arroz com brócolis, Berinjela a parmegiana, Salada de acelga com alho frito, Muhammara (pasta de pimentão vermelho com nozes) e Doce de casca de laranja.


1. Arroz com brócolis (vegano)

Esse arroz é muito fácil de preparar e pode acompanhar verduras refogadas, tortas, esfihas e purês. Eu prefiro prepará-lo com brócolis fresco, do tipo americano. O brócolis possui pouquíssimas calorias, sacia a fome e pode ser preparado de inúmeras maneiras. Ele tem uma grande variedade de benefícios nutricionais e medicinais, incluindo a sua capacidade de prevenir muitos tipos de câncer, melhorar o sistema digestivo, reduzir o colesterol, desintoxicar o corpo e maximizar a absorção de vitaminas e de minerais. Evita também as reações alérgicas, estimula o sistema imunológico, protege a pele, previne defeitos congênitos, regula a pressão arterial, elimina a inflamação e melhora a visão e a saúde ocular.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Homenagem a Sérgio Barretto: um homem bom

A Ciência da Meditação e a Consciência de Si
Sérgio Barretto (1931 - 2017)
Ontem, 30 de novembro de 2017, faleceu o irmão de minha mãe, Sérgio Barretto, instrutor de Śuddha Rāja Yoga desde os idos de 1960. Com o seu espírito alegre e agregador, tio Sérgio contribuiu para o desenvolvimento de diversos Ashram-s e centros de estudo por todo o Brasil. Foi ele quem primeiro me orientou em meus estudos sobre Yoga e Índia. Quando adolescente, eu costumava passar as minhas férias em sua casa, na companhia dos meus primos. Ele sempre contava com entusiasmo aquelas histórias dos santos iogues do oriente. Foi o tio Sérgio quem me apresentou formalmente ao Francisco Barreto, hoje instrutor do Śuddha Sabhā Ātma, em Sergipe. Foi ele também que, juntamente com Francisco Barreto, cooficiou a cerirmônia ióguica de meu casamento com Cássia, em 06 de fevereiro de 1983, no antigo Ashram Atma, em Aracaju. Pouco mais tarde, nós nos mudaríamos para Sergipe para nos integrar ao projeto de gestação de uma futura “universidade Śuddha”, como dizíamos à época.

domingo, 19 de novembro de 2017

From the inside out: um estilo de governança e gestão baseado na meditação na ação

Diretora do Instituto de Química da UFRJ
Cássia Curan Turci
Diretora do IQ/UFRJ por três
gestões entre 2004 e 2017
Na vida, nada é por acaso, por mais que se pareça assim. Aparentemente, foi por mero acaso que Cássia veio para a UFRJ em janeiro de 1991. Em princípio, estávamos apenas pensando em retornar para o sudeste, após quatro anos como voluntários na implantação do projeto social e eco-espiritualista do qual ainda hoje somos colaboradores anônimos. Difícil imaginar que eu assistiria no seio da UFRJ a germinação das sementes que ajudamos a cultivar em Sergipe, valorizando as relações de trabalho e a práxis do cotidiano como a oportunidade suprema de se exercitar o poder de fazer de toda ação uma meditação. Jamais imaginaria que Cássia iria desenvolver, em paralelo com as suas atividades como docente e pesquisadora, uma carreira administrativa forjada nos mesmos moldes da pequena célula sergipana de ativismo social, ambiental e espiritualista que ajudáramos a gestar, juntamente com os demais membros daquela experiência piloto. 

sábado, 4 de novembro de 2017

A Escuta do Coração: Teoria e Prática da Ciência da Meditação segundo a Bhagavad Gītā

A Ciência da Meditação e a Consciência de Si
Embora existam distintas modalidades de meditação, em grande parte, desenvolvidas a partir de um contexto sectário e religioso, é possível pensar que estamos assistindo ao nascimento, ou à redescoberta, da Ciência da Meditação, que envolve a teoria e a prática, tal como apresentada por Krishna a Arjuna no milenar texto da Bhagavad Gītā.

A marca distintiva da Bhagavad Gītā (canção), em relação aos demais textos dos vários darśanas, ou sistemas (conforme tenho defendido, indiretamente, em diversos artigos acadêmicos, e também de forma explícita e direta, no texto anterior e vários outros que compõem este Livro Blog), é o fato dela não estruturar e engessar o ancestral yoga (reintroduzido por Krishna), em diferentes escolas, cada uma delas com os seus rígidos e, por vezes, contraditórios Sūtras. A Bhagavad Gītā, pelo contrário, apesar de perpassar todos esses sistemas de pensamento – não pertence, exclusivamente, a nenhum deles. Este é o seu maior diferencial. Diferencial de valor incalculável, mas que não impediu, infelizmente, que a Bhagavad Gītā fosse apropriada e descaracterizada por distintos movimentos religiosos, em alguns casos distanciando-a até mesmo do épico do qual ela representa o cerne.  Via de regra, tais linhagens impõem sobre o texto da Bhagavad Gītā interpretações que procuram legitimar e proteger as "verdades" destas mesmas escolas.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

025. Cozinhando com o Coração

RECEITAS DA SEMANA: Arroz com milho, Purê de abóbora japonesa (cabotiá), Agrião refogado, Pastelzinho assado de raiz de bardana e Doce caseiro de banana.


1. Arroz com milho (vegano)

Esse arroz é muito fácil de preparar e pode acompanhar verduras refogadas, tortas, esfihas e purês. Eu prefiro prepará-lo com milho fresco cozido na água e sal, mas você pode utilizar milho em lata, de boa qualidade. Em geral, o milho cozido no vapor é mais saboroso e macio. Caso opte pelo milho natural, procure comprar as espigas novinhas, que tem os grãos de milho clarinhos. Por ser um cereal, o milho é fonte de energia, carboidratos, ácido fólico, vitaminas A e B1 e fibras. As propriedades do milho podem ajudar significativamente na prevenção de doenças cardíacas, porque reduzem os níveis da proteína homocisteína, que, em excesso, causa danos às artérias. Além disso, a vitamina B1 (tiamina) turbina a memória, por participar dos impulsos nervosos que fazem as transmissões entre os neurônios. Já as fibras, aliadas famosas do intestino regulado, ainda ajudam no controle do colesterol e no aumento da saciedade. Já a vitamina A traz mais brilho e vitalidade para a pele, unhas e cabelos,  porque participa intensamente da regeneração celular.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

024. Cozinhando com o Coração

Vegetarianismo, veganismo e a arte de amar.
Vegetarianismo, veganismo e a arte de amar.
RECEITAS DA SEMANA: Purê de mandioquinha, Acelga com gergelim, Bolinho de arroz, Maionese de abacate, e Sopa de cebola.


1. Purê de batata baroa/mandioquinha (vegano)

As crianças adoram este purê e ele é muito fácil de preparar. É um ótimo acompanhamento para arroz e feijão ou para verduras refogadas. Por ser facilmente digerida, a mandioquinha é muito indicada para a alimentação de crianças, pessoas idosas ou em recuperação de doenças ou cirurgias. Com ação anti-inflamatória, antioxidante, antifúngica e anticancerígena, a mandioquinha conta ainda com altos níveis de vitamina C, B, K e E, ajudando a manter o corpo saudável, além de previnir doenças como o câncer.

Rendimento: 6 porções

Ingredientes:
½ kg de mandioquinha
1 batata inglesa (opcional, para dar mais maciez ao purê)
4 colheres (sopa) de azeite
Sal a gosto

domingo, 15 de outubro de 2017

A Arte de Sonhar segundo Bhagavan Das



Por uma destas estranhas circunstâncias da vida, hoje, 15/10/17, Dia do Professor, e data de aniversário de um ano deste Livro Blog, enquanto procurava algum material de Bhagavan Das, a quem considero o precursor do modelo de Universidade Śuddha e Patrono da Universidade do Coração, deparei-me com o seu pequeno livrinho Studies in the Bhagavad Gîtâ by the Dreamer: The Yoga of Discrimination (London, Theosophical Publishing Society, 1902). Bhagavan Das, o guru espiritual que me inspira e acompanha, o grande mestre e precursor do Śuddha Dharma, aquele de cujas noures constantemente me nutro, apresenta-se no título como ninguém menos que "The Dreamer" (O Senhor dos Sonhos), o personagem que aparece no misterioso e pouco conhecido manuscrito intitulado "The Dream Problem" (O Paradoxo do Sonho), onde ele próprio também manifesta-se como um interlocutor. Em essência, este livro trata de uma pessoa que entra conscientemente no estado de sonho e lá encontra vários sábios, dentre eles, Vasishta, com quem discute os conceitos de realidade, estado de vigília, de sonho, sono profundo e transcendência.  Este que dorme, que sonha e desperta, por exemplo, é uma mesma pessoa? Como então não tem consciência de seus sonhos? Seria o mundo dos sonhos real e independente do mundo tal como o experimentamos no estado de vigília? Se este mundo se torna irreal para quem alcança a iluminação, quem nos garante que o próprio estado de iluminação não é apenas um outro tipo de sonho em relação a um estado de ser ainda mais elevado?

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

023. Cozinhando com o Coração

A Ciência da Meditação e a Consciência de Si
Vegetarianismo, veganismo e a revolução do altruísmo.
RECEITAS DA SEMANA: Vegetais ao forno com queijo e nozes, Arroz basmati com açafrão, Hambúrguer de lentilha, Caldo verde,  trufa de batata doce.


1. Vegetais ao forno com queijo e nozes

Rendimento: 6 porções

Ingredientes:
2 abobrinhas italianas
2 berinjelas
3 tomates maduros sem sementes
2 dentes de alho amassados 
1 cebola picada
2 colheres (sopa) de cebolinha picada
1 xícara de queijo minas padrão
150g de queijo minas frescal cortado em cubinhos
4 colheres (sopa) de azeite
4 colheres (sopa) de nozes moídas

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Visita de Francisco Barreto ao nosso Grupo de Estudos – Consagração dos Alimentos

Recebemos nesta quinta-feira, 14.09.17, em nosso Grupo de Estudos a visita do Gnana Dhatha Francisco Barreto, idealizador do projeto da Universidade do Coração, que, antes do almoço de confraternização, fez a consagração dos alimentos com a oração do Pai Nosso em aramaico, idioma utilizado por Jesus. Esta oração está gravada em uma pedra de mármore branco na Igreja do Pai Nosso, no Monte das Oliveiras, em Jerusalém, na Palestina.